Balde de água fria

O mundo, aos poucos, tenta voltar ao normal.

O comércio abrindo, os esportistas voltando aos treinos, os trabalhadores chegando nas fábricas e assim por diante. Mas dizem que tudo que é bom dura pouco. No Brasil essa máxima é potencializada sei lá quantas vezes.

Primeiro que aqui morre cada vez mais gente. Gente, pessoas. É um pai, uma mãe, um vizinho. Mas poucos se importam com isso. Ia morrer mesmo, né?

Mesmo vivendo no caos, miramos a Europa, a China. E mesmo não resolvendo os problemas daqui, ficamos esperançosos de ver que, por lá, as coisas começam a voltar ao normal.

É aí que alguém entra em cena e nos joga um balde de água fria.

Ouvi ontem: em Wuhan, onde começou o problema do coronavírus, foram registrados novos casos. É uma “segunda onda” da doença, segundo os especialistas.

Já reparou que é sempre assim?

É claro que não duvido da notícia, mas é impressionante como é quase impossível ter um dia inteiro de paz no meio desse caos.

Semana passada vi uma matéria muito bonita na televisão. Falava sobre a criação de uma vacina para a Covid-19, do trabalho dos cientistas, de como é o processo e das várias possibilidades que temos. Mas aí veio a machadada, bem no final: vacina só ano que vem.

Estamos em maio. Começo de maio.

O tempo, que parece correr cada vez mais rápido, muda sua velocidade conforme suas preferências. É sempre assim quando a gente quer muito alguma coisa.

Quem joga ou gosta de futebol entende do que estou falando. É como se você tivesse que fazer um gol, está desesperado, e o jogador do time adversário cai no chão toda hora. O tempo passa voando, pelo menos pra você.

Pra quem está no chão torcendo pelo fim, dura uma eternidade. O mesmo jogo, o mesmo tempo.

Pior que nem podemos negar que estamos no meio de um jogo.

Existem lados, atores, personagens políticos que não conseguem sentar na mesma mesa para jogar o jogo com lealdade. É só chute na canela, o tempo todo. Não escondem as trapaças, não chutam por baixo da mesa. Fazem tudo na frente de todos. Se bobear a toalha de mesa vira arma, assim como as cadeiras.

É feio falar palavrão, minha mãe sempre me advertiu sobre isso, mas não tem outra expressão que represente o estado atual das coisas: estamos fodidos e mal pagos. Quando é que tudo isso vai acabar?

1 comentário

  1. Realmente vivemos um turbilhão de emoções em nossa mente, nossos corações se enchem de esperança com notícias de esperança, é a vacina, é a curva descendente, é o mundo voltando ao normal, mas não se empolgue, vivemos no Brasil e aqui estamos segundo especialistas a caminho do caos.
    Ou seja continuamos fudidos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s